[Competências, Referências, Orientações] Referências Bibliográficas

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ALBUQUERQUE, Wlamira; FRANÇA, Walter (2013). O que há de África em nós. São Paulo: Moderna.

 

ALVES-MAZZOTTI, Ana Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando (1998). 2ª. Edição. O Método das Ciências Naturais. São Paulo, Pioneira.

 

ANDRADE, Cibele; DACHS, J. Norberto (2007). Acesso à educação por faixas etárias segundo renda e cor/raça. Caderno de Pesquisa, n. 37.

ABPN. I Relatório – Perfil 2009 das(os) Associadas(os) da ABPN – Documento integrante do Seminário 10 anos de ABPN – Seminário Estratégiade Fortalecimento institucional. Maio 2010. Disponível em www.abpn.org.br. Acesso em 09/04/2016.

 

ABPN. II Relatório de perfil dos/as Pesquisadores/as Negros/as. Associação Brasileira de Pesquisadores Negros. (2012). Disponível em https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwjmvtmyy4LMAhVLD5AKHbKDC6kQFggcMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.abpn.org.br%2Fnovo%2Fattachments%2Farticle%2F13%2FPesquisa%2520de%2520Perfil%25202012.pdf&usg=AFQjCNHND3g1oHBnHPDYyHLKF69fg_z-1A&sig2=LrZCaVEoLvEAsrIFeJFNZQ&bvm=bv.119028448,d.Y2I&cad=rja. Acesso em 09/04/2016.

 

ARAÚJO, Elizângela Gonçalves (2004). Etnomatemática com geometria sona: despertando o pensamento matemático dos estudantes em sala de aula. Universidade Federal de Santa Catarina (UFCS). Trabalho de Conclusão de curso. Florianópolis.

 

ARROYO, M. G. (2007). A pedagogia multirracial popular e o sistema escolar. In: GOMES, N. L. (org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações sociais. Belo Horizonte: Autêntica.

 

ARTES, Amélia Cristina Abreu. Desigualdades de cor/raça e sexo entre pessoas que frequentam e titulados na pós-graduação brasileira: 2000 e 2010: relatório final de pesquisa. Fundação Carlos Chagas. São Paulo.

 

ARTES, Amélia Cristina Abreu. Estudantes de pós-graduação no Brasil: distribuição por sexo e cor/raça a partir dos censos demográficos 2000 e 2010. Fundação Carlos Chagas. São Paulo.

 

ARTES, Amélia Cristina Abreu; CARVALHO, Marília, Pinto (2010). O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade? Cadernos Pagú, v. 34, n.0. Campinas, jan.-jun. 2010, p.41-47.

 

BASSANEZI, Rodney C (2006). Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. 3ª edição. São Paulo: Contexto.

 

BARATA, Rita Baradas; GOLDBAUM, Moises. Perfil dos pesquisadores de produtividade em pesquisas do CNPq da área de saúde coletiva. Cadernos Saúde Pública. Rio de Janeiro 19 (6) nov-dez 2003.

 

BARRETO, Francisco Cesar de Sá;DOMINGUES, Ivan: OPNPG 2011-2020: Os desafios do país e o Sistema Nacional de Pós-graduação. Educação em Revista v. 28, n. 03, p. 17-53, set 2012.

 

BARROS, R. P. e MENDONÇA, R. S. P. Os determinantes da desigualdade no Brasil. Rio de Janeiro, IPEA, 1995. (Texto para Discussão n.º 377)

 

BARROS, Ricardo Paes; MENDONÇA, Rosane Silva. Os determinantes da desigualdade no Brasil, TD 377, IPEA, 1995.

 

BARROS, Ricardo Paes de; FOGIEL, Miguel; UIYSSEA, Gabriel. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil, TD 800, IPEA, 2001.

 

BARROS, Ricardo Paes; HENRIQUES, Ricardo, MENDONÇA, Rosane. Salários e educação no Brasil. Brasília: Projeto Nordeste / Fundescola, 2000.

 

BELTRÃO, Kaizo; TEIXEIRA, Moema de P. O vermelho e o negro: raça e gênero na universidade brasileira –uma análise da seletividade das carreiras a partir dos censos demográficos de 1960 a 2000. Texto para discussão, RJ, IPEA, outubro de 2004.

 

BICUDO, Maria Aparecida, V. (org.) (1999). Pesquisa em educação Matemática: Concepções e Perspectivas”. São Paulo: Editora UNESP.

 

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora

 

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação, de 20 de dezembro de1996. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL. Lei 10639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL. Lei Nº 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL. Ministério da Educação (2004). Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações Étnico-raciais e para o ensino de História e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: MEC. Disponível em http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=12988:pareceres-e-resolucoes-sobre-educacao-das-relacoes-etnico-raciais. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC, 1999. Disponível em http://portal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12598-publicacoes-sp-265002211. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental (1997). Parâmetros curriculares nacionais: matemática / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF. Disponível em http://portal.mec.gov.br/par/195-secretarias-112877938/seb-educacao-basica-2007048997/12657-parametros-curriculares-nacionais-5o-a-8o-series. Acesso em 09/04/2016.

 

BRASIL, Plano Nacional de Pós-graduação (PNPG) 2011-2020 Ministério da Educação,Brasília,dez. 2010.

 

BRASIL, Plano Nacional de Pós-graduação (PNPG) 2005-2010 Ministério da Educação,Brasília,dez. 2004

 

BRUSCHINI, Maria. Cristina. A. Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras. Cadernos de Pesquisa, n.27, p.5-17, dez.1978.

 

CARVALHO, Marília. Quem são os meninos que fracassam na escola?. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), São Paulo, v. 34, n. 121, p. 11-40, 2004.

 

CAVALCANTI, Raika, et all. Perfil dos pesquisadores da área de odontologia no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Revista Brasileira de Epidemiologia, 11 (1), 2008.

 

CAVALLEIRO, Eliane (org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Summus, 2001.

 

CGEE, Doutores 2010: Estudo da demografia da base técnico-científica brasileira –Brasília, DF, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2010.

 

CGEE, Mestres 2012: Estudo da demografia da base técnico-científica brasileira –Brasília, DF, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2012.

 

CAVALLEIRO, Eliane (org.). Introdução. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei 10639/03. Brasília, SECAD, 2005.

 

CORBUCCI, Paulo Roberto. Desafios da Educação Superior e desenvolvimento no Brasil, IPEA, Textos para Discussão TD 1287, 2007.

 

COSTA, Sergio. A construção sociológica da raça. Estudos Afro-Asiáticos.ano 24 n. 1, 2002

 

CUNHA, Estela Maria Garcia de Pinto. O Brasil está reduzindo suas disparidades raciais? XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, novembro de 2012.

 

CUNHA JR., Henrique.  Afroetnomatemática, África e afrodescendência. Disponível em http://docplayer.com.br/7293332-Afroetnomatematica-africa-e-afrodescendencia.html. Acesso em 09/04/2016.

 

CUNHA JR., Henrqiue et al. (2013) Matemática e culturas africana e afro-brasileira – Afroetnomatemática (Valores Afro-Brasileiros na educação) parte 1. Disponível em http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2675. Acesso em 09/04/2016.

 

CUNHA JR., Henrqiue et al. (2013) Matemática e culturas africana e afro-brasileira – Afroetnomatemática (Valores Afro-Brasileiros na educação) parte 2. Disponível em http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2676. Acesso em 09/04/2016.

 

CUNHA JR., Henrqiue et al. (2013) Matemática e culturas africana e afro-brasileira – Afroetnomatemática (Valores Afro-Brasileiros na educação) parte 3. Disponível em http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2677. Acesso em 09/04/2016.

 

CUNHA JR, Henrique. (2004) Afroetnomatematica, África e Afrodescendência. Temas em Educação, v. 13, p. 83-95.

 

D´AMBRÓSIO, Ubiratan (1990). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática.

 

D´AMBRÓSIO, Ubiratan (2002). Etnomatemática – o elo entre as tradições e a modernidade. 4ª Ed. São Paulo: Ática.

 

D’AMBROSIO, Ubiratan (1997). Educação matemática: da teoria a prática. Campinas: Papirus

 

D’AMBROSIO, Ubiratan (2001). Transdisciplinar idade. 2ª edição. São Paulo: Palas Athena

 

DELORS, Jacques (1998). Educação: Um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez.

 

DAVIS, Darien J. (2000). Afro-brasileiros hoje. São Paulo: Summus.

 

DOWNES, Stephen (2007). How the Net Works. Stephen’s Web. Disponível em http://www.downes.ca/cgi-bin/page.cgi?post=42068. Acesso em: 09/04/2016.

 

DOWNES, Stephen (2007). What Connectivism Is. Half an Hour. Disponível em http://halfanhour.blogspot.com/2007/02/what-connectivism-is.html. Acesso em: 09/04/2016.

 

DOWNES, Stephen (2006). Learning Networks and Connective Knowledge. Instructional Technology Forum. Disponível em http://it.coe.uga.edu/itforum/paper92/paper92.html. Acesso em: 09/04/2016.

 

DOWNES, Stephen (2006). Groups vs Networks: The Class Struggle Continues. Comunicação feita no âmbito da eFest, Wellington, Nova Zelândia. Transcrição, áudio e slides disponíveis em http://www.downes.ca/presentation/53. Acesso em: 09/04/2016.

 

DOWNES, Stephen (2005). An Introduction to Connective Knowledge. Stephen’s Web. Disponível em http://www.downes.ca/cgi-bin/page.cgi?post=33034. Acesso em: 09/04/2016.

 

EVANGELISTA. Mitchel Chistopher Sombra. (2012). As transformações isométricas no GeoGebra com a motivação etnomatemática. 1ª. Conferência Latino Americana de GeoGebra. ISSN2237-9657, pp.CXXV -CXLIX.

 

FRANÇA, Evanilson Tavares; LIMA, Maria Batista Lima. (2012). Etnomatemática como possibilidade de emponderamento dos grupos etnorraciais. VI Colóqui Internacional: Educação e Contemporaneidade.São Cristovão/SE.

 

FERES JR, João (org). Ação afirmativa no ensino superior brasileiro hoje: análise de desenho institucional 2011.Gemaa –Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa IESP/UERJ, 2011.

 

FILHO, José Camilo dos Santos; GAMBOA, Silvio Sanches (org.). (2000). Pesquisa Educacional: quantidade-qualidade. 3ª ed. São Paulo: Cortez.

 

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sérgio (2006). Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados.

 

FONTINHA, Mario (1983). Desenho nas areias dos quiocos no nordeste da África. Instituto de Investigação Científica Tropical. Lisboa.

 

GERDES, Paulus (1990). Vivendo a Matemática: Desenhos da África. São Paulo, Scipione.

 

GERDES, Paulus (1991). Etnomatemática – Cultura, Matemática, Educação. Maputo: Instituto Superior Pedagógico.

 

GERDES, Paulus  (2007). Sobre a história da formação de matemáticos africanos: os primeiros doutorados e o contributo do Ubiratan D’Ambrosio em perspectiva. Revista Brasileira de História da Matemática. São Paulo.

 

GERDES, Paulus  (2007). Otthava: fazer cestos e geometria na cultura Mackuwa do nordeste de Moçambique. Universidade Lurio. Nampula. Moaçmbique.

 

GERDES, Paulus. (2008). A numeração em Moçambique: contribuição para uma reflexão sobre cultura, língua e educação matemática. Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GERDES, Paulus. (2008). Geometria Sona de Angola: matemática duma tradição africana – volume 1. Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GERDES, Paulus. Mundial de futebol e de trançados (2011). Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GERDES, Paulus. Pitágoras africano: um estudo em cultura e educaççao matemática (2011). Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GERDES, Paulus  (2012). Etnogeometria: Cultura e o despertar do pensamento geométrico, Instituto Superior de Tecnologias e de Gestão (ISTEG). Belo Horizonte, Boane, Moçambique.

 

GERDES, Paulus  (2012). Lusona: recreações geométricas de África – problemas e soluções. Instituto Superior de Tecnologias e de Gestão (ISTEG). Belo Horizonte, Boane, Moçambique.

 

GERDES, Paulus  (2013). Geometria e Cestaria dos Bora na Amazónia Peruana. Centro de Investigação Etnomatemática – Cultura, Matemática, Educação, C. P. 915, Maputo, Moçambique.

 

GERDES, Paulus  (2014). A ciência matemática. Centro de Investigação Etnomatemática – Cultura, Matemática, Educação, C. P. 915, Maputo, Moçambique.

 

GERDES, Paulus. Geometria Sona de Angola: explorações educacionais e matemáticas de desenhos africanos na areia – Volume 2 (2014). Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GERDES, Paulus. Geometria Sona de Angola: estudos comparativos – volume 3 (2014). Centro de Estudos Moçambicanos e Etnociência. Maputo. Moçambique.

 

GODINHO et alii. Trajetória damulher na educação brasileira 1996-2003. Brasília: Inep/MEC, 2006.GUIMARÃES, Antônio Sergio.  Classes, raças e democracia. São Paulo, Editora 34, 2002.

 

GOMES, Nilma Lino. Cultura Negra e Educação. In: Revista Brasileira de Educação. Maio/Jun/Jul/Ago. nº 23, 2003.

 

GREENE, J. C. CARACELLI, V. J., GRAHAM, W. F. (1989). Toward a conceptual framework for mixed-method evaluation designs. Educ eval and Pol Anal, 1:255-64.

 

HADAMARD, J. (2009). Psicologia da invenção na matemática. Rio de Janeiro: Contraponto.

 

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro, Graal, 1979.

 

HENRIQUES, Ricardo. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90. Textos para discussão, n. 807, Rio de Janeiro, , IPEA, 2001.

 

HERINGER, Rosana. Análise das principais políticas de inclusão dos estudantes negros no ensino superior no Brasil no período de 2003-2006. XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. 2007.

 

HOFFMANN, Rodolfo. Transferências de renda e redução de desigualdades no Brasil e cinco regiões entre 1997 e 2004. Econômica, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 55-81, junho 2006.

 

JACCOUD, Luciana. O Combate ao Racismo e à Desigualdade: O Desafio das Políticas Públicas de Promoção da Igualdade Racial. In: THEODORO, Mario (org.). As políticas Públicas e a Desigualdade Racial no Brasil: 120 Anos Após a Abolição. Brasília, IPEA, 2008.

 

LEWIS, M. W.; GRIMES, A. J. (2007). Metatriangulação: construção teórica o base em paradigmas múltiplos. In CALDAS, Miguel P., BERTERO, Carlos O. (Eds) Teoria das Organizações. São Paulo: Atlas.

 

LIMA, Fabiana Ferreira de et al. (2015) Concepções docentes sobre a lei 10.639/03 numa instituição federal de Ensino. Revista da ABPN • v. 8, n. 18 • nov. 2015 –fev. 2016, p.440-455

 

LOMBARDI, Maria. Rosa. Perseverança e resistência: a engenharia como profissão feminina. Campinas, 2005. Tese (dout.) Unicamp/Faculdade de Educação.

 

LOMBARDI, Maria. Rosa. Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 173-202, jan/abril 2006.

 

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

 

MAGALHÃES, Alânia. Trabalho e educação: os efeitos da educação sobre o processo de estratificação social entre brancos e não brancos no Brasil. 1º Seminário Nacional de Sociologia e Política, UFPR, 2009.

 

MANCEBO, Deise; SILVIA JR João dos Reis; OLIVEIRA, João Ferreira.(org) Reformas e Políticas; educação superior e pós-graduação no Brasil. Alínea, 2008.

 

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria (2005). Fundamentos de metodologia científica. 6ª. Edição. São Paulo: Atlas.

 

MATTOSO, Cristopher Luis; GUIMARÃES, Enderson Lopes; CAMARGO, Keilla Cristina Arsie. Mancalas no ensino de Matemática. In: 1º Encontro Nacional PIBID – Matemática. 2012, Santa Maria. 2012. p. 1 – 10.

 

MELO, Hildete Pereira; LASTRES, Helena Maria Martins; MARQUES, Teresa Cristina Novaes. Gênero no sistema de ciências, tecnologia e inovação no Brasil. Revista Gênero, v. 1, 2004.

 

MINAYO, Maria Cecília de Souza (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22ª. Edição. Petrópolis: Vozes

 

MOEHLECKE, Sabrina. Ação Afirmativa: histórias e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 197-217, nov. 2002.

 

MORGAN, G. (2005) Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações. ERA Revista de Administração de Empresas, v.45 n. 1. Seção: REA

 

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa, CANDAU, Vera Maria. Currículo, conhecimento e cultura. In: BEAUCHAMP, Janete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro. Indagações sobre Currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

 

MUNANGA, Kabengele. Apresentação. In: MUNANGA, K. (org.) (2005). Superando o Racismo na escola. 2ª Ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

 

MUNANGA, Kabengele (org.) (1996) Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

 

NACARATO, Adair M.; PAIVA, Maria Auxiliadora V. (2006). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica.
NKOSI, Deivison (2012). As contribuições africanas para o desenvolvimento humano-universal. Registro de palestra. Ação Educativa. Disponível em http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/?p=1760. Acesso em março/2016

 

OGBORN,J. (1997). Modeling Clay for Thinking and Learning, pre-print.

 

OLIVEIRA, Eduardo A. et al.Perfil e produção científica dos pesquisadores do CNPq nas áreas de Nefrologia e Urologia.J. Bras. Nefrol.[online]. 2011, vol.33, n.

 

PACHECO, Consuelo. Sistema de Equidade de Gênero e Comissão Nacional de Investigação Científica e Tecnológica do Chile. Pensando gênero e ciência.  2º Encontro Nacional de Núcleos e Grupos de Pesquisa.Brasil, Presidênciada República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2010.

 

PAIXÃO, Marcelo (Org). Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil: 2007-2008, UERJ, 2008.

 

PAIXÃO, Marcelo (Org). Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil: 2009-2010, UERJ, 2010.

 

PAIXÃO, Marcelo. Levantamento das fontes de dados estatísticos sobre avariável cor ou raça no Brasil contemporâneo: terminologias classificatórias, qualidade das bases de dados e implicações para as políticas públicas. Grupo de trabalho 30 Relações raciais: desigualdades, identidades e políticas públicas. 35º Encontro Anualda ANPOSC, Aguas de Lindóia, SP, 2012.

 

PIRES, C.M.C. (2000). Currículos de Matemática: da concepção linear à ideia de rede. FTD. São Paulo.

 

PATTON, Michael Q. (1987). How to use qualitative methods in evaluation. Newbury Park: Sage

 

PIAGET, J. (1974). Aprendizagem e conhecimento, em Piaget, P. & Gréco, P., Aprendizagem e Conhecimento, Freitas Bastos, Rio de Janeiro.

 

PIAGET, J. (1973). Comments in Mathematical Education, em A.G.Howson (ed) Proceedings of the Second International Congress on Mathematical Education, Cambridge University Press.

 

PIAGET, J. (2002). Epistemologia genética. São Paulo: Martins Fontes.

 

RAMOS, Lauro; VIEIRA, Maria Lúcia. Desigualdades de rendimentos no Brasil nas décadas de 80 e 90; evolução e principais determinantes, Rio de Janeiro, IPEA, 2001 (texto para discussão n. 803).

 

RAMOS, Milena Yumi; VELHO, Lea. Formação de doutores no Brasil e no exterior: impactos na propensão a migrar.  Educação e Sociedade, Campinas, v. 32, n. 117, p. 933-951, out-dez. 2011.

 

RISTOFF, Dilvo, et all. A mulher na educação superior brasileira 1991-2005. Brasília, INEP 2008.

 

ROCHA, Sônia. A investigação de renda nas pesquisas domiciliares brasileiras. Economia e Sociedade, v. 12 n(2), 2003.

 

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina., Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo,in BARSTED, Leila L; PITANGUY, Jacqueline.O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010 / Rio de Janeiro: CEPIA ; Brasília: ONU Mulheres, 2011.p. 390-424.

 

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. O Branco no IBGE continua branco na ação afirmativa. Estudos Avançados, 18 (50), 2004

 

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação Formal, Mulher e Gênero no Brasil Contemporâneo, Estudos Feministas,ano 9. p. 515-541, 2o sem. 2001.

 

ROSEMBERG, Fúlvia et all. Mulher e educação formal no Brasil: estado da arte e bibliografia, Brasília: INEP/REDUC, 1990

 

SANTOS, Celso José dos. Limites e potencialidades do uso dos mankalas na educação matemática e nas relações etnico-raciais no ambiente escolar. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/121-4.pdf>. Acesso em: 09/04/2016.

 

SANTOS, JOSÉ (2008). Jogos africanos e a educação matemática: semeando com a Família Mancala. Material Didático elaborado como parte integrante das atividades do Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE da Secretaria de Estado da Educação coordenado pela Universidade Estadual do Paraná.

 

SANTOS, Sales Augusto. A Lei nº 10639/03 Como Fruto da Luta Anti-Racista do Movimento Negro. In: Educação anti-racista: Caminhos Abertos Pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: SECAD/MEC, 2005.

 

SEADE, Os negros no mercado de trabalho na região metropolitana de São Paulo, Novembro de 2012.

 

SIEMENS, George (2008). New structures and spaces of learning: The systemic impact of connective knowledge, connectivism, and networked learning. Comunicação apresentada no Encontro sobre Web 2.0, Universidade do Minho, Braga. Disponível em http://elearnspace.org/Articles/systemic_impact.htm . Acesso em: 09/04/2016.

 

SIEMENS, George (2008). What is the unique idea in Connectivism? elearnspace. Disponível em http://connectivism.ca/blogue/2008/08/what_is_the_unique_idea_in_con.html . Acesso em: 09/04/2016.

 

SIEMENS, George (2006). Knowing Knowledge. Disponível em http://www.elearnspace.org/KnowingKnowledge_LowRes.pdf . Acesso em: 09/04/2016.

 

SIEMENS, George (2006). Connectivism: Learning Theory or Pastime of the Self-Amused? elearnspace. Disponível em http://www.elearnspace.org/Articles/connectivism_self-amused.htm . Acesso em: 09/04/2016.

 

SIEMENS, George (2004). Connectivism: A Learning Theory for the Digital Age. International Journal of Instructional Technology and Distance Learning, 2(1). Disponível em http://www.itdl.org/journal/jan_05/article01.htm . Acesso em: 09/04/2016.

 

SIEMENS, George (2003). Learning Ecology, Communities, and Networks: Extending the Classroom. elearnspace. Disponível em http://www.elearnspace.org/Articles/learning_communities.htm . Acesso em: 09/04/2016.

 

SILVA, Adalton; SILVA, Josenilton; ROSA, Waldemir,  Juventude Negra e Educação Superior, in: CASTRO, Jorge (org) Juventude e políticas sociais no Brasil, IPEA, 2009.SILVÉRIO, Valter Roberto. Ação afirmativa e o combate ao racismo institucional no Brasil, Cadernos de Pesquisa, 117, nov. 2002, p. 219-246.

 

SILVA, Joselina. Mulheres Negras na Educação Superior. Simpósio “Gênero e indicadores da educação superior brasileira, Brasília, p. 63-84, 2007.

 

SILVA, Tatiana Dias. Mulheres negras, pobreza e desigualdade de renda. MARCONDES, Mariana (Org.) Dossiê Mulheres Negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil, IPEA 2013.

 

SILVA, Vanisio Luiz. (2014). Africanidade, matemática e resistência. Universidade de São Paulo (USP): Faculdade Educação. Tese de Doutorado. São Paulo.

 

SILVEIRA, Leonardo Souza; MUNIZ, Jerônimo Oliveira. Diferenciais de rendimento entre brancos e negros: uma comparação intra e inter metropolitana, 2010

 

SOARES, Sergei. A demografia da cor: a composição da população brasileira de 1890 –2007. In: THEODORO, Mario (org.) As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição, IPEA, 2008.

 

SOUZA, Romilson da Silva. Ações Afirmativas e a Lei 10639/03: Elementos para outra cultura educacional. In: LAIA, Maria Aparecida e SILVEIRA, Maria Lúcia da (org.). A Universidade e a formação para o Ensino de História e Cultura Africana e Indígena. CONE (Coordenadoria dos Assuntos da População Negra). São Paulo. [s/d].

 

TODOS PELA EDUCAÇÂO (2014). Anuário Brasileiro da Educação Básica. São Paulo: Moderna. Disponível em http://www.todospelaeducacao.org.br/biblioteca/1493/anuario-brasileiro-da-educacao-basica-2014/ . Acesso em 09/04/2016

 

UNESCO, Relatório de Monitoramento Global Educação para Todos, 2003-2004. São Paulo, Moderna, 2004.

 

VALLE, Nelson; Carlos, HASENBALG. Tendências da desigualdade educacional noBrasil. Dados, vol.43, n.3, p.423-445, 2000.

 

VELHO, Leo. O papel da formação de pesquisadores no sistema de inovação. Ciência e Cultura, v. 59, n. 4 São Paulo, 2007.

 

VELLOSO, Jacques. Mestres e Doutores no país:destinos profissionais e políticas de pós-graduação. Caderno de Pesquisa, v. 34, n. 123 set/dez 2004, p. 583-611

 

VELLOSO, Jacques, VELHO, Leo. Mestrandos e doutorandos no Brasil: trajetórias de formação, CAPES, 2001.

 

VONBUN,Cristian, MENDONÇA, José Luís de Oliveira. Educação Superior uma comparação internacional e suas lições para o Brasil. IPEA, Textos para Discussão TD 1720, 2012.

 

YIN, K. R. (2001) Estudo de caso:  planejamento e métodos. Bookman.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *